Que tema gostaria de ouvir mais nas nossas reuniões ?

sábado, 21 de maio de 2011

Blog vira site e muda de endereço

Mudamos de endereço contando com a ajuda de todos 
A partir desta postagem, em 22 de maio de 2011, iremos atualizar tudo sobre o Paz e Bem! dentro deste novo endereço - é só clicar nele:
http://www.gepazebem.org/

Portanto, divulgue pros amigos!
Todo o acervo como se encontra aqui continuará e foram replicadas no novo site, onde teremos muitas novidades que serão implementadas aos poucos!
Paz e Bem!!!

Amor, Paz, Luz, Esperança...


No dia 29/Nov/2001, após quase dez anos de luta contra o câncer, partia definitivamente da experiência física o guitarrista, compositor e cantor GEORGE HARRISON, ex-integrante de The Beatles. O britânico George escolheu ficar perto da família e longe do assédio da mídia, em Beverly Hills/California, na casa de um amigo. Assim como sua essência, suas músicas são imortais. Nos seus 58 anos de existência, temas como amor, paz, vida, luz e liberdade costumavam constar em suas músicas, com melodias fáceis de se gostar, logo na primeira audição.
Abaixo, o video da música “Give me love (Give me Peace on Earth)”, de 1973, seguida de letra e tradução. 
Tenho esta canção como uma prece dirigida à Fonte da Vida onde pedimos Amor e Paz na Terra. Paz social será um mero reflexo da Paz interior que aprendamos a cultivar, dentro de nós mesmos. Esta é a tarefa contínua de nossa Vida.

Give Me Love (Give Me Peace On Earth)

Give me

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Nova Geração de Espíritos reencarnados e reencarnandos

Livro de 2007
O médium Divaldo Pereira Franco com Vanessa Anseloni falam sobre uma nova geração de Espíritos reencarnados e ainda reencarnando, que são reconhecidos ainda na fase infantil como "crianças índigo" ou "crianças cristal", conforme a cor da aura que irradiam e visualizadas por sensitivos.
Eis o livro da dupla, lançado pela Editora LEAL: 
Abaixo, seis partes de uma palestra em que Divaldo fala sobre referidos seres que vêm a habitar a Terra para ajudar a coletividade a adentrar em uma nova fase, mais cheia de Amor, Paz e Bem.





Medicina e Espiritualidade


Na Região Metropolitana de Florianópolis, temos o Município São José-SC, onde funciona o NÚCLEO ESPÍRITA NOSSO LAR que realiza um sério e profundo trabalho em Medicina Vibracional - expressão e método difundidos por Richard Gerber.
"No mundo da Medicina Vibracional, a doença é causada não apenas por germes, substâncias químicas e traumas físicos, mas também por disfunções crônicas dos padrões de energia emocional e pelos maus hábitos de relacionamento da pessoa consigo mesma e com os outros. O caminho vibracional não usa bisturis e medicamentos de laboratórios para tratar as doenças, mas sim, diferentes formas de energia para produzir transformações curativas na mente, no corpo e no espírito do doente." - in "Um Guia Prático de Medicina Vibracional", livro de R. Gerber - Ed. Cultrix. 
NENL tem por finalidade “a assistência social e promoção humana, visando uma sociedade fundada nos valores morais que possibilitem a liberdade, a igualdade, participação e solidariedade";
"ser modelo e multiplicador na luta pela conscientização do ser humano quanto ao seu papel na melhoria da qualidade de vida da sociedade; e
"contribuir na medida de suas possibilidades para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes com câncer, bem como de doenças degenerativas.”

A seguir, em duas partes, vejam a série especial "Em Busca da Cura". Muito interessante a presença de médicos (encarnados) e outros terapeutas que somam Medicina e Espiritualidade.


quinta-feira, 19 de maio de 2011

Efetividade no Bem

Começou o empreendimento aos 42 anos
A história de um homem que ajudou milhões a saírem da pobreza
Gosto de ler biografias, em especial de grandes almas, porque sempre entramos em contato com a Luz que há nos seres humanos.
Recomendo o livro "O BANQUEIRO DOS POBRES", autobiografia de Muhammad Yunus, 70 anos, ganhador do Prêmio Nobel da Paz 2006, o qual foi dividido com o Grameen Bank, instituição que ele criou e já tirou mais de 15 milhões de pessoas da pobreza em Bangladesh (com mais de 135 milhões habitantes) e em outros países, dando-lhes direito ao microcrédito (SEM GARANTIA e com apenas 2% de inadimplência) para investir em seus próprios talentos, para aquisição de moradias, para mais de 60 mil estudantes universitários pobres etc.

Abaixo, com grifos meus, compartilho opinião do bengali Yunus, extraída do livro:

"O feito do (Banco) Grameen ao conseguir dispensar o dinheiro dos doadores (Banco Mundial) me leva a considerar a questão da caridade.
Quando circulamos de carro por Daca (Capital de Bangladesh) somos atacados de todos os lados por mendigos profissionais. Nossa primeira reação é dar-lhes uma esmola. Por que não? Por alguns tostões, podemos aplacar nossa consciência. Quando somos abordados por um leproso com os dedos e as mãos devorados pela doença, ficamos tão chocados que imediatamente levamos a mão ao bolso e entregamos ao infeliz uma nota que para nós não é nada, mas representa uma fortuna para quem a recebe. Isso é útil? Não e na maioria das vezes é até danoso.

Somos uma parte de uma imensa Vida

Por conta de, comumente, estarmos desconectados de nossos próprios sentimentos ( e isto nos traz malefícios dolorosos), como é doce "sentir" o nascer do Amor, vibrando em nós, gradativamente, durante a  caminhada.
Em um mundo que vibra no egocentrismo, no individualismo e na separatividade, quão bom relembrarmos que "não estamos sós" e de que "somos uma parte de uma imensa Vida". Quando a mente nos levar a imaginar que estamos e somos independentes do Todo e de todos, lembremos da Fonte da Vida que nos gerou e nos sustenta com infinito Amor, sempre, em qualquer situação, dimensão, lugar. 
Mesmo no dia mais nublado, de intensas chuvas e trovoadas, acima das nuvens, o Sol continua incessamente brilhando forte, fazendo sua parte. Assim também se sucede conosco e a Fonte Sustentadora. Mesmo passando por algumas turbulências que parecem não ter fim, a Fonte do Amor, de Tudo Que É continua nos nutrindo do essencial. Sabe Ela que os percalços fazem parte do processo de aprendizado intelectual, sentimental e espiritual.

Compartilho o video da música-tema do filme "Irmão Sol, Irmã Lua". Desta vez, uma interpretação da cantora paranaense Ziza Fernandes, musicoterapeuta que possui diversos discos lançados pela Gravadora Paulinas. Embora desconheça a autoria da versão em português, reconheço-a oriunda do movimento católico.  
A edição das imagens casa perfeitamente com o inventivo arranjo vocal e instrumental. 
Doce é sentir
Em meu coração
Humildemente
Vai nascendo amor

Doce é saber
Não estou sozinho
Sou uma parte
De uma imensa vida

Que generosa
Reluz em torno a mim
Imenso dom
Do teu amor sem fim


O céu nos deste
E as estrelas claras
Nosso irmão sol
Nossa irmã lua

Nossa mãe terra
Com frutos, campos, flores
O fogo e o vento
O ar, a água pura

Fonte de vida
De tua criatura

Que generosa
Reluz em torno a mim
Imenso dom
Do teu amor sem fim

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Outra música tocante na alma

Capa recente do DVD
Para quem aprecia Cinema e uma história envolvendo valores espirituais de ordem superior e ao mesmo tempo gosta de se deleitar com a Música, a dica é o filme "Irmão Sol, Irmão Lua" (Fratello Sole, Sorella Luna - 1972), do diretor italiano Franco Zeffirelli (1923- ), que dramatizou a vida do irmão Sol - São Francisco de Assis (1182-1226) - e da irmã Lua - Santa Clara (1194-1253).
O filme teve locações nas regiões italianas da Úmbria, da Toscana e Sicília.
No elenco, o ator britânico Sir Alec Guiness (1914-2000) que interpretou o Papa  Inocêncio III. Guiness é conhecido por ser protagonista de "A Ponte do Rio Kwai" (1957) e pela trilogia "Guerra nas Estrelas (1977-1983). No final de "Irmão Sol...", o Papa fala prá Francisco: "Meu caro filho, erros podem ser perdoados. Nossa obsessão com o pecado original nos faz muitas vezes esquecer nossa inocência original"Grato pela dica desta passagem, Eugênia.

A música original do filme é do compositor e maestro Riz Ortolani (1931-). 
A seguir, "Brother Sun, Sister Moon" cantada em inglês, pelo escocês Donovan (1946- ), com melodia e andamento diferentes do que comumente cantamos.

Abaixo, a mesma música na versão do romano Claudio Baglioni (1951- ) em "Fratello Sole, Sorella Luna". Observem que a tradução original é quase igual à versão consagrada em português (que está gravada no CD "As Dez Mais do Paz e Bem", na voz do nosso irmão Tom Trajano), mas a melodia e a harmonia são um pouco diferentes. Embora a original tenha umas nuanças a que me inclino mais, gosto muito também da versão brasileira.
Esta é outra música que toca cada fibra do coração. Uma música simples e que eleva a alma para um estado de contentamento espiritual.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Sendo objetivo

"Dá para imaginar fazer isto internamente?"
“...O Espiritismo tende para a regeneração da Humanidade; este é um fato adquirido. Ora, esta regeneração não podendo se operar senão pelo progresso moral, disto resulta que seu objetivo essencial, providencial, é a melhoria de cada um...”.

Idéia de Allan Kardec escrita no artigo "O que o Espiritismo ensina", publicado na Revista Espírita de agosto de 1865.
----------------------------------------------

Dupla hélice de uma molécula de DNA: a ascensão começa nas células.
"O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual...Com este objetivo é que ditamos 'O Livro dos Espíritos'."

Trecho de resposta dada pelo Espírito Santo Agostinho, à questão 919-a formulada por Allan Kardec, em "O Livro dos Espíritos" - 1857.
-------------------------------------------------------

Nestas duas passagens, referentes ao OBJETIVO da Doutrina dos Espíritos junto à Humanidade, notamos o PROGRESSO individual, com efeitos coletivos, através da melhoria do indivíduo consigo mesmo e no contexto do convívio social.
Essa melhoria não é aquela competitiva em relação aos outros e sim descobrir-se melhor como Ser humano no aqui-agora do que se foi antes. 
Para tal progresso, não existe outro caminho (fruto de uma escolha consciente, individual) a não ser através do AUTOCONHECIMENTO, que se inicia pela simples auto-observação, no dia-a-dia, nas pequenas coisas. 
CONHECER A SI MESMO é a principal jornada que viemos desenvolver nesta existência, como sendo um tijolo a mais que pomos no degrau da escalada evolutiva, a qual nos leva à plenitude espiritual e nos permite sentir, vivenciar e irradiar muito Amor, Paz e Bem, onde quer que a Vida nos sustente. É ver no outro - qualquer outro que possa imaginar - um Ser composto da mesma Essência que nós - todos filhos do mesmo Pai - e por isto digno de nosso fraternal respeito e a quem devemos ajudar, sempre que pudermos. 
Por este motivo, nós que formamos o Grupo Espírita Paz e Bem! insistimos tanto na tecla do AUTOCONHECIMENTO, da MEDITAÇÃO e de outras práticas que nos possibiliutem entrar em contato com nosso riquíssimo mundo interior, com a devida humildade para reconhecer a Luz que já acessamos, bem como com coragem para acolher e depois transformar a quota de sombra interna que ainda mantemos, que nubla nossa Luz, nos rouba a energia e o sonho de que podemos nos descobrir Clara Luz, um dia. 
Paz e Bem!

Simplicidade de um pescador

Certa vez, um homem muito rico e muito ocupado caminhava pela praia para tentar aliviar a carga dos inúmeros e complexos problemas que moldavam a sua vida. De repente, ele deparou com um pescador deitado despreocupadamente junto de um barco, olhando o azul do céu. Indignado, deteve-se junto ao pescador e perguntou:
– Como você pode ficar deitado aí, por que não está pescando?
O pescador virou lentamente a cabeça na direção do homem e respondeu com outra pergunta.
Por que você está tão irritado? Eu não estou pescando porque já pesquei o suficiente para o dia de hoje.
Inconformado, o homem insistiu:
– Se você estivesse com seu barco no mar, certamente traria mais peixes para vender ou estocar e poderia ganhar muito mais dinheiro. Com mais dinheiro, você compraria um barco melhor, mais moderno, com maior capacidade de navegação, e com ele teria uma pesca mais abundante e conseqüentemente mais dinheiro. Logo você poderia até ser dono de uma companhia pesqueira e ser um homem rico.
E o que eu faria então? – perguntou o pescador.
– Você teria condições de gozar muito mais desta vida. Poderia comprar uma linda casa, automóvel do ano, roupas caras, viajar, namorar lindas mulheres. Enfim, tudo o que o dinheiro pode oferecer.
– Mas eu sou feliz assim, vivendo cada momento como único e precioso; vivo o presente e o que tenho basta para suprir minhas necessidades. Assim consigo apreciar a vida estando atento a tudo o que me acontece.
– Você se contenta com pouco. É preciso aproveitar mais a vida!
Olhando o interlocutor com um leve sorriso desenhado no rosto, o pescador perguntou:
O que você acha que eu estou fazendo agora?
------------------------------------------------------------------------------
Eis um conto popular, de autoria desconhecida e que vi no livro "Aulas de Transformação", de Marilu Martinelli - Editora Peirópolis (1996). 

O que nos faz sentir contentamento? O que é aproveitar a Vida? Do que podemos abrir mão para simplificar o viver? Quais os valores em que alicerçamos o conceito de ser feliz nas experiências da Vida?

Espiritismo, Metapsíquica e Parapsicologia

Capa de um dos volumes
Em 1970, foi lançada a "ENCICLOPÉDIA DE PARAPSICOLOGIA, METAPSÍQUICA E ESPIRITISMO", pelo dicionarista, filólogo e jornalista João TEIXEIRA DE PAULA, contando com prefácio do pesquisador espírita Dr. Hernâni Guimarães Andrade. Dividido em tres volumes, que totalizam 480 páginas, possuo sua 3ª edição (Cultural Brasil Editora - 1973), a qual está fora de catálogo, sendo encontrável apenas em sebos. Teixeira de Paula é reconhecido pela meticulosidade e pelo cuidado com que pesquisa o significado das palavras.

Vou reproduzir aqui, só o início de alguns verbetes desta obra de referência. Vamos começar com as palavras que estão no título da enciclopédia, em ordem cronológica:

"ESPIRITISMO (de espírito + ismo). Doutrina filosófica, moral e científica, com conseqüências religiosas, que tem por princípio as relações do mundo material com os Espíritos ou seres do Mundo Invisível. Foi codificado por Léon-Hippolyte Denizard Rivail, francês de Lião, mais conhecido pelo criptônimo bretão de Allan Kardec, cuja atenção foi despertada pelos fenômenos mediúnicos de Hydesville, que tiveram começo na residência da família Fox nos fins de dezembro de 1847. A codificação se processou depois de várias experiências de Allan Kardec com alguns médiuns. Dessas experiências resultou, sob orientação de entidades espirituais, o aparecimento da obra: Le Livre des Espirits, publicada em Paris, no dia 18 de abril de 1857."

"METAPSÍQUICA (do gregoi metá ta psichika). Ciência que, na definição do próprio Richet, que foi seu fundador, tem por "objetivo os fenômenos, mecânicos ou psicológicos, devido a forças que parece serem inteligentes oua poderes desconhecidos, latentes na inteligência humana."
Criada pelo fisiologista francês Charles Robert Richet (1850-1935), em 1922, com a publicação de Traité de Métaphysique. 

"PARAPSICOLOGIA ( de para + psicologia). É uma disciplina científica que investiga fenômenos que, existindo na Natureza, são inabituais na contingência humana, quer sob o ponto de vista qualitativo, quer sob o ponto de vista quantitativo."
O pioneiro nas pesquisas parapsicológicas foi o biologista norte-americano Joseph Banks Rhine (1895-1980). Em 1934, lançou o livro "Percepção Extra-Sensorial".

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Compreensão da causa dos sofrimentos

John Hurt em "O Homem Elefante" (1980). A deformidade inata e um ser inteligente e  sensível.
Trechos do capítulo V de "O Evangelho Segundo o Espiritismo" e que servirão de base para a próxima palestra do dia 19/maio/2011: "A Justiça e as Causas ANTERIORES das Aflições", com o nosso irmão Reginauro Sousa.


"6. Mas, se há males nesta vida cuja causa primária é o homem, outros há também aos quais, pelo menos na aparência, ele é completamente estranho e que parecem atingi-lo como por fatalidade. Tal, por exemplo, a perda de entes queridos e a dos que são o amparo da família. Tais, ainda, os acidentes que nenhuma previsão poderia impedir; os reveses da fortuna, que frustram todas as precauções aconselhadas pela prudência; os flagelos naturais, as enfermidades de nascença, sobretudo as que tiram a tantos infelizes os meios de ganhar a vida pelo trabalho: as deformidades, a idiotia, o cretinismo, etc.
Os que nascem nessas condições, certamente nada hão feito na existência atual para merecer, sem compensação, tão triste sorte, que não podiam evitar, que são impotentes para mudar por si mesmos e que os põe à mercê da comiseração pública. Por que, pois, seres tão desgraçados, enquanto, ao lado deles, sob o mesmo teto, na mesma família, outros são favorecidos de todos os modos?"
...
"9. Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado neste mundo denote a existência de uma determinada falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu progresso. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas nem sempre a prova é uma expiação. Provas e expiações, todavia, são sempre sinais de relativa inferioridade, porquanto o que é perfeito não precisa ser provado. Pode, pois, um Espírito haver chegado a certo grau de elevação e, nada obstante, desejoso de adiantar-se mais, solicitar uma missão, uma tarefa a executar, pela qual tanto mais recompensado será, se sair vitorioso, quanto mais rude haja sido a luta. Tais são, especialmente, essas pessoas de instintos naturalmente bons, de alma elevada, de nobres sentimentos inatos... Pode-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam queixas e impelem o homem à revolta contra Deus.
Sem dúvida, o sofrimento que não provoca queixumes pode ser uma expiação; mas, é indício de que foi buscada voluntariamente, antes que imposta, e constitui prova de forte resolução, o que é sinal de progresso."
--------------------------------
Glossário:
Comiseraçãosentimento de compaixão pela infelicidade de outrem.
Cretinismoperturbação grave e relativamente rara do desenvolvimento físico e intelectual devido a uma diminuição da atividade tireoidiana. 
Deformidadedefeito de conformação de um órgão ou parte do corpo.
Expiaçãopurificação reparadora de faltas anteriores.
Fatalidadedestino que não se pode evitar.
Flagelo naturalgrande desgraça ou dano coletivo; calamidade, catástrofe.
Idiotiadoença infantil de origem genética, caracterizada por retardo mental grave, perda progressiva da visão, paralisia e morte, geralmente observada em filhos de casamentos consangüíneos.
Provadificuldade, situação aflitiva ou sofrimento muito grandes, que põem à prova a força moral, a fé religiosa, as convicções de um indivíduo.  
Queixumelamentação.

Todo ponto de vista é a vista de um ponto


Todo Ponto de Vista é a Vista de um Ponto
(por Leonardo Boff)

Ler significa reler e compreender, interpretar. Cada um com os olhos que tem. E interpreta a partir de onde os pés pisam. Todo ponto de vista é a vista de um ponto. Para entender como alguém , é necessário saber como são seus olhos e qual é sua visão de mundo. Isso faz da leitura sempre uma releitura. A cabeça pensa a partir de onde os pés pisam.
Para compreender, é essencial conhecer o lugar social de quem olha. Vale dizer: como alguém vive, com quem convive, que experiência tem, em que trabalha, que desejos alimenta, como assume os dramas da vida e da morte e que esperanças o animam. Isso faz da compreensão sempre uma interpretação. Sendo assim, fica evidente que cada leitor é co-autor. Porque cada um e relê com os olhos que tem. Porque compreende e interpreta a partir do mundo que habita.
Convidamos você a fazer-se, junto com as forças diretivas do universo, co-criador/co-criadora do mundo criado e por criar.
--------------------------------------------------------------------------------------

Sugiro lermos e relermos algumas vezes este sucinto e belo texto. 

Teria algo a ver com a evolução de cada um? 
Teria com o respeitar o estado interno de si e do outro?
Como costumamos interpretar o que lemos?
Por que ler é reler e como isto afeta nossa interpretação do mundo que nos cerca?
Seria um convite para que compassiva e tolerantemente reconheçamos nosso estágio evolutivo e do outro, no presente momento?
Como seres co-criadores, o que estamos produzindo no mundo externo (na coletividade), que é e sempre será a simples conseqüência do mundo interno de nossa própria individualidade?
Namastê!

domingo, 15 de maio de 2011

Música com Andrea Bocelli


No livro "Transição Planetária" (Cap. 13, pág. 126/127), o autor espiritual Manoel Philomeno de Miranda narra fato que presenciou na Colônia Redenção em que, antes da fala do Espírito Francisco de Assis, uma jovem cantora, acompanhada pelo órgão, apresentou a peça religiosa "Panis Angelicus", de Santo Tomás de Aquino (1225-1274) e que fora musicada pelo organista e compositor belga César Frank (1822-1890), "criando uma psicosfera de altíssimas vibrações".
Acima, interpretação do tenor italiano Andrea Bocelli (1958- ), gravada em 1994, no disco "Il Mare Calmo Della Sera". 
Neste mesmo disco, Bocelli cantou uma versão italiana para "Ave-Maria no Morro" canção composta por Herivelto Martins, em 1942. Experimente clicar no nome da música brasileira!
Para começar bem a semana. Paz e Bem!

Pesquisadores da Reencarnação

Quando o assunto é pesquisas científicas sobre a reencarnação, os nomes mais lembrados são:

- Dr. IAN Pretyman STEVENSON (1918-2007): Médico psiquiatra canadense, chefe do Departamento da Universidade da Virginia/EUA, em 1957 e aposentado em 2002. Pioneiro, em 38 anos de pesquisas investigativas, Dr. Stevenson catalogou mais de 2.600 casos de crianças que  diziam lembrar de existências passadas, sem o auxílio da hipnose, na África, América do Sul, Índia, Líbano, Turquia, Tailândia, Sri Lanka, Burma etc. Seu primeiro livro foi "20 Casos Sugestivos de Reencarnação" (1966), relançado, em 2010, como "Reencarnação: Vinte Casos". Seu décimo e último livro foi "Casos Europeus de Reencarnação" (2003), ambos pela Editora Vida & Consciência.

- Dr. Hemendra Nath BANERJEE (1929-1985): Médico psiquiatra indiano e diretor do Departamento de Parapsicologia da Universidade de Rajasthan/Índia pesquisou mais de 3 mil casos sugestivos de reencarnação na Índia e outros países orientais. Teve lançado no Brasil o livro "Vida Futura e Pretérita - Um impressionante estudo sobre reencarnação" (1979 - Ed. Nórdica), onde relata sua experiência de 25 anos neste campo de pesquisa. Um exemplo é o caso notável do menino Gopal
Leia AQUI e descubra o que se passou no encontro do Dr. Banerjee com o médium Chico Xavier e o Espírito Emmanuel, no Brasil.

- Dr. HERNÂNI GUIMARÃES ANDRADE (1913-2003): Engenheiro civil de Araguari-MG, em 1963, sediado em São Paulo-SP, fundou o Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas - IBPP, com a finalidade de demonstrar cientificamente os fenômenos paranormais, a reencarnação, a obsessão espiritual e transcomunicação instrumental. Entre 1958 e 2002, publicou dezoito livros. Semelhante aos doutores Stevenson e Banerjee, escreveu "Reencarnação no Brasil" (1988 - Ed. O Clarim), onde traz oito casos de crianças e "Renasceu por Amor" (1995 - FE Editora), que traz um importante relato que seguiu o rigoroso protocolo de pesquisa do IBPP.

Um Convite

Amigos do Paz e Bem!,

Compartilhamos que nosso grupo formou-se e foi crescendo espontaneamente, ao longo desses quase dez anos de existência. Ainda por opção, escolhemos não ter uma diretoria formal, nem possuímos CNPJ. Somos um "ajuntamento" de pessoas de boa-vontade que se comprazem em espalhar o Bem, seja pela palavra amiga ou pelas ações propositivas em favor de instituições que fazem reconhecido trabalho de assistência social.
A partir de um determinado momento, surgiu a necessidade de bancarmos com custos financeiros (pagamento do aluguel do mezzanino da Torre Quixadá, bem como compra de cestas básicas para aqueles que auxiliam na preparação do espaço da reunião etc.). Isto nos impeliu a criar a figura do SÓCIO-CONTRIBUINTE.
Tornar-se sócio nesta empreitada do Paz e Bem! é dividir, com os trabalhadores do Grupo, o peso financeiro para o funcionamento do mesmo; é se comprometer em doar uma importância fixa mensal, em dinheiro (o valor é o próprio sócio quem estipula), de forma optativa - não é obrigatório colaborar

Assim, quem estiver podendo e quiser entrar no "Bloco dos que Ajudam o Paz e  Bem! a Acontecer no Plano Material" é só enviar e-mail a sqbastos@terra.com.br  ou falar pessoalmente nas quintas-feiras com Solange ou Marise, que sempre estão em um birô que chamamos "recepção".

DETALHE: Esta postagem é também um gentil lembrete para os que estão inadimplentes. 
Quando seus motivos tiverem cessados, deixem a timidez de lado e voltem a estar no "Bloco".

Formamos um grupo ESPÍRITA, com temáticas ESPIRITUAIS, mas os custos são MATERIAIS e como tais PRECISAM SER TRATADOS e HONRADOS
Por exemplo: o aluguel do espaço físico oscila de 600 a 750 reais por mês. É muito, se dividido entre poucos; torna-se pouco, se rateado entre muitos. 
Portanto, eis um convite para nos dar as mãos.
Paz e Bem!

sábado, 14 de maio de 2011

Reconhecimento da sabedoria indígena

Estátuas de pedra miram o oceano na polinésia Ilha de Páscoa

No livro “Transição Planetária", psicografado por Divaldo P. Franco, o Espírito Manoel Philomeno de Miranda registra o benfeitor espiritual Charles White falando que, na sua última encarnação, tivera origem inglesa, exercera a medicina convencional e vivera a maior parte da existência na região da Polinésia – um conjunto de ilhas no Oceano Pacífico, onde uma das mais famosas é a Ilha de Páscoa – tendo feito parte dos conquistadores, em nome da “civilização” européia.
Compartilho trecho da fala de Charles White, com grifos meus:
“Guardando conceitos equivocados, considerávamo-nos superiores aos que chamávamos indígenas e, em nome dos falsos valores, lutamos para aculturá-los com a nossa presunção de senhores do conhecimento.
Ledo engano! À medida que convivíamos com eles descobrimos a sabedoria de que eram portadores, no seu aparente primitivismo. Encontramos, nos seus cultos, considerados grosseiros, informações profundas, que eram passadas de uma geração pra outra geração oralmente e pelos trabalhos a que se afeiçoavam. Seus xamãs, em momentosas comunicações espirituais eram, ao mesmo tempo, sacerdotes e médicos, pensadores e sábios, conselheiros, administradores e psicólogos eficientes...
Com eles tomamos conhecimento da interferência dos mortos na existência dos vivos e aprendemos que a terapia mais eficiente diante dos desafios do binômio saúde-doença é sempre o amor expresso no respeito recíproco e nos cuidados que são oferecidos por todos os membros do clã.” Capítulo 4, páginas 44-45, do livro Transição Planetária.

Um pouco sobre Manoel P. de Miranda

Dr. Manoel Philomeno de Miranda, quando encarnado (1876-1942)
Manoel Philomeno de Miranda foi médico e espírita que esteve reencarnou em Conde/BA (14/nov/1876) e desencarnou em Salvador/BA (14/jul/1942). 
Aos 36 anos de idade, Dr. Manoel Philomeno tomou conhecimento da Doutrina Espírita. Com marcante atuação no movimento espírita baiano na década de 1910, presidia reuniões mediúnicas e a partir de 1921, até sua desencarnação, passou a integrar a diretoria da União Espírita da Baiana, hoje Federação Espírita do Estado da Bahia.
Em 1950 - oito anos após sua desencarnação - o Espírito Miranda apresentou-se ao médium Francisco Cândido Xavier. Duas décadas depois, apresentou-se a Divaldo Pereira Franco como um trabalhador atuante nos campos da mediunidade e da desobsessão e que teria continuado seus estudos nessas áreas, após sua desencarnação. E assim, Divaldo psicografou o primeiro livro de M. P. de Miranda - "Nos Bastidores da Obsessão" (1970 - Editora FEB). 
O 16° e mais recente livro da dupla Divaldo/Manoel Philomeno é "Transição Planetária", do qual já comentamos sobre o Seminário que Divaldo Franco fará em Fortaleza, no dia 19/Jun/2011 e postamos aqui sobre os capítulos 3 e 4 do referido livro.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Sexta-feira 13 - Dia de...

Hoje é sexta-feira 13.
Há uma "mística" que toda sexta-feira 13 é um dia de azar.
Uns dizem ser 13 um número da sorte. Outros acreditam que o número 13 seria irregular, sinal de infortúnio. 
A sexta-feira teria sido o dia da crucificação e morte de Jesus. Somando-se com o dia 13 seria o mais azarado dos dias.
Quem quiser ler a opinião revelada pelos Espíritos sobre este tema leia as questões 851 a 867 de "O Livro dos Espíritos". Chamo atenção para a questão e resposta abaixo:

864 Existem pessoas para as quais a sorte é contrária, outras parecem favorecidas, pois tudo lhes sai bem; a que se deve isso?
– Freqüentemente porque elas sabem orientar-se melhor; mas isso pode ser também um gênero de prova. O sucesso as embriaga; elas confiam em seu destino e freqüentemente acabam pagando mais tarde esses mesmos sucessos com cruéis revezes, que poderiam ter evitado com a prudência.


E finalizo com uma metáfora que versa sobre "sorte" e "azar". Será que eles existem mesmo? Tirem suas próprias conclusões.


Sorte ou Azar

Era uma vez

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Livro espírita clássico


William S. Moses psicografou mensagens...
Em fins do século XIX, na Inglaterra, William Stainton Moses (05/nov/1839 - 05/set/1892), professor de esclarecida inteligência e íntegro caráter, recebeu através da psicografia notáveis ensinamentos que se destacam pelo alto valor moral e revelador acerca do aspecto religioso do Espiritismo.
...compiladas em livro (1883)
Os ensinamentos fornecidos pelos Espíritos Superiores eram quase sempre discordantes, e mesmo opostas, ao modo de pensar do Reverendo Stainton Moses, que era também ministro da Igreja Anglicana e conhecedor das escrituras sagradas. Acabou deixando o anglicanismo e assumiu-se espírita, uma vez que se convenceu da fidedignidade da produção de sua mediunidade psicográfica. Começou a estudar a Doutrina Espírita em 1872 e, em sessões mediúnicas em grupos de Londres, descobriu-se também médium de efeitos físicos, em cuja presença produziam-se fenômenos como sons musicais, pancadas clarões, balsamização do ambiente com perfumes diversos, passos pesados que estremeciam o ambiente, tilintar de campainhas, levitação de corpos pesados como mesas e cadeiras, transposição da matéria, fenômenos de voz-direta, entre outros.
Ao longo do livro "ENSINOS ESPIRITUALISTAS", (Editora FEB, 266 pág) percebe-se claramente o grande esforço dos Espíritos-guias para convencer o autor das novas verdades espirituais, devido às suas convicções religiosas já formadas pelos dogmas das religiões tradicionais.
O livro contém ainda interessante biografia de W. Stainton Moses e apresenta uma nova ordem de pensamentos que, entre outros princípios, sistematiza a assistência viva e edificante dos ensinos transmitidos pelos Espíritos elevados a nós outros, simples aprendizes que ainda gravitamos no corpo físico.

Sobre comunicações dos Espíritos após a morte física, eis o que Espírito Imperator, por intermédio de um outro Espírito - Rector - ditou através do médium Moses:

"Aqueles que recentemente deixaram este mundo raras vezes se podem comunicar com os seus amigos pessoais; o desencarnado entrega-se a tais esforços para dar uma prova da sua existência, que a sua ansiedade e precipitação, coincidindo com as lágrimas e aflição dos seus amigos, eleva entre eles uma insuperável barreira.
  • Tornar-se-ia necessário muita calma de ambas as partes
  • e é preciso que o desencarnado paire acima dos sentimentos pessoais para atingir aqueles que o lastimam."

Para finalizar, um depoimento do médium no referido livro:
"É interessante saber se os meus próprios pensamentos exerceram uma influência qualquer nos assuntos tratados nos ditados, apesar de ter tomado as maiores precauções para que esse fato não acontecesse. Ao começo, a escrita era lenta, sendo eu obrigado a segui-la com os olhos, mas, mesmo nesse caso, as idéias não eram minhas. De fato, as comunicações tomaram logo um caráter sobre o qual não podia eu ter dúvidas, pois que as opiniões emitidas eram contrárias ao meu modo de pensar. Distraía-me propositadamente durante o tempo em que a escrita se produzia e cheguei a abstrair-me na leitura de um livro e a seguir um raciocínio cerrado, enquanto a minha mão escrevia com constante regularidade. As comunicações assim dadas enchiam inúmeras páginas, sem haver correção nem faltas de composição, revelando muitas vezes um estilo belo e vigoroso."

Detalhe: 
1. A Editora FEB grafa o nome do autor como "Stainton". Há pesquisas em sites britânicos, encontramos tanto "Stanton", como "Stainton"..
2. William Stanton Moses desencarnou aos 51 anos, após sucessivas repetições da gripe "influenza".
3. Preço de capa: R$ 13,00, mas encontrável nos sebos, a partir de R$ 8,20 (incluindo frete).